Voltar | Home / Mídia / Planejamento, design e eficiência dos espaços de saúde*

Planejamento, design e eficiência dos espaços de saúde*

Planejamento, design e eficiência dos espaços de saúde*

29 de maio de 2019

Design de serviço, design de mobiliário, design de arquitetura, design de engenharia, design de ambiente, tudo é design e tudo têm de estar alinhado com o plano de negócios do cliente, independentemente da área de atuação. E, para ser bem-sucedido, o projeto exige esforço multidisciplinar e empatia.

 

Em um hospital, por exemplo, a equipe de enfermagem, de facilities, de manutenção e gestores possuem rotinas distintas e, quanto mais elas forem detalhadas, mais o projeto arquitetônico será eficiente, isto é, será criado da melhor forma para atender às necessidades de cada um dos públicos-alvo.

 

Para ilustrar o conceito de design e eficiência, vale citar o case dr. consulta, rede de centros médicos inaugurada em 2011 com um modelo disruptivo de negócio.

Todos os tipos de exames em diversas unidades foram cronometrados para obter a média de atendimento e tempos de espera. Mapeamos a jornada do paciente e com todos esses dados foi possível dimensionar as salas de espera, otimizando espaço e melhorando a experiência ao usuário. Afinal ter muitas cadeiras vazias numa sala grande é tão incômodo quanto não ter lugar para se sentar.

 

Eficiência de design significa alcançar eficiência econômica e na prestação do serviço. No caso do dr. consulta – cuja proposta é oferecer bom serviço médico a baixo custo – torna-se fundamental controlar a proporção entre área produtiva, utilizada com exames e consultas, e as áreas de apoio, espera e circulação.

 

Aspecto tangível e intangível na humanização

Outro ponto importante é a humanização. Discutir humanização pode parecer sem sentido, visto que a arquitetura é feita por seres humanos para seres humanos, mas não é. Muitos espaços parecem ignorar isto. Chamo a atenção para dois aspectos de humanização dentro de um ambiente de saúde.

 

O primeiro é mais tangível, como a própria arquitetura. A pessoa consegue perceber se a temperatura e a iluminação estão agradáveis, se os móveis são confortáveis, se há espaço suficiente e se a comida é boa.

 

O segundo aspecto é intangível e se refere ao atendimento prestado pelos colaboradores. Muitas vezes eles têm de se antecipar à necessidade do cliente, entender o que ele está sentindo para oferecer soluções e improvisar além do treinamento. Mas eles só conseguem se o projeto proporcionar tudo o que se espera dele.

 

O colaborador só vai conseguir atender a essa demanda intangível se todas as tangíveis forem atendidas. O arquiteto, então, tem de criar um ambiente eficiente para que todos os atores desempenhem a sua função sem esforço. Como consequência, o atendimento se torna mais humano e faz toda a diferença, porque o paciente se sente cuidado, acolhido.

 

O espaço tem voz própria

O espaço tem voz própria. É preciso estar no comando das sensações e sentimentos que o espaço transmite. Não devemos nunca ignorar o enorme impacto que a arquitetura tem sobre nossas vidas e nossa saúde.

 

A função da arquitetura é estratégica para o negócio saúde, visto que tudo acontece dentro de um edifício. O arquiteto é um planejador e, quanto mais informações ele tiver, mais eficiente o projeto será. Conversando com todas as esferas e equipes ele vai conciliar design, sustentabilidade, identidade da empresa, tecnologia com a eficiência do negócio do cliente.

 

A eficiência também na identidade da marca e na experiência do cliente

Na rede de centros diagnósticos Fleury, após branding desenvolvido pela GAD Retail, ACR Arquitetura levou para o espaço e design dos móveis os conceitos do branding com efeitos de iluminação, escolha de materiais, linhas mais orgânicas e emprego de cores mais vibrantes. Além disso desenvolveu um caderno de padronização dos ambientes onde compilou todos os dados e o aprendizado ao longo dos anos. É a eficiência do design aliado à identidade de uma marca.

 

Outro case especial é o do Hospital Israelita Albert Einstein, sinônimo de excelência em todos os aspectos, o desafio foi melhorar a experiência do paciente padronizando as salas de espera.

 

A partir de premissas discutidas com o cliente, desenvolvemos a estratégia do projeto, conceituada a partir do significado de healing spaces, do conforto do paciente e dos valores da instituição, como sustentabilidade e desospitalização. Criamos elementos que podem ser aplicados em espaços diferentes com soluções diversas, resultando em ambientes com a mesma identidade e conectados pelos mesmos conceitos.

 

* Esse artigo foi desenvolvido a partir da palestra “Planejamento, design e eficiência dos espaços em saúde” apresentada por Antonio Carlos Rodrigues, CEO da ACR Arquitetura, em 21 de maio, primeiro dia da 26ª edição da feira Hospitalar, realizada em São Paulo.

Top